#

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Tempora in, sunt illum dolore, dolor vel perferendis nisi, sequi laudantium, porro blanditiis voluptatem iure minus. Excepturi quod repellat debitis, quasi mollitia.

ABRAFATI -




Notícias e Artigos

Ver apenas:

Notícias

Publicado em

Caixa Econômica apoia medidas para incentivar setor de construção

ABRAFATI e outras entidades do setor levam propostas relacionadas a crédito, estímulo à adoção de novos sistemas construtivos e utilização de materiais qualificados.

No último dia 27 de junho, representantes do setor de materiais de construção apresentaram propostas ao presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Gilberto Occhi, e aos vice-presidentes da instituição, Fábio Lenza e Nelson Antonio de Souza.

Participaram da reunião os mesmos líderes setoriais que foram recebidos dias antes pelo ministro das Cidades, como parte de uma programação destinada a levar ao novo governo sugestões para estimular a construção civil e, por extensão, a economia: Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI e do Fórum dos Gerentes dos PSQs, Claudio Conz, presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção), Walter Cover, presidente da Abramat (Associação Brasileira das Indústrias de Material de Construção), e Antonio Carlos Kieling, superintendente da Anfacer (Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres).

As propostas apresentadas estão ligadas a três temas: a ampliação da oferta de crédito, tanto para a compra de materiais de construção via Construcard quanto para o varejo do setor se capitalizar; o estímulo da CEF à utilização de sistemas construtivos mais modernos e eficientes, especialmente nas habitações de interesse social; e a exigência, pela instituição, do uso de materiais de construção qualificados pelos PSQs (Programas Setoriais da Qualidade) nas obras que financia.

“Como principal órgão financiador da habitação no Brasil, a Caixa tem papel chave para a retomada de um ritmo forte para as atividades da construção. A receptividade às nossas propostas foi muito boa, mostrando que existe uma forte convergência de interesses e ideias entre o governo e o setor produtivo, no que se refere à necessidade de fazer a economia crescer e de reduzir os graves problemas sociais do País” afirma Dilson Ferreira.