Pular para o conteúdo

Cartão Construcard disponibiliza R$ 7 bilhões para compra de materiais de construção

ABRAFATI participou de cerimônia em que medida foi anunciada pelo presidente Michel Temer.

Dando continuidade ao conjunto de medidas voltadas para o incentivo à construção civil, o presidente Michel Temer e o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Gilberto Occhi, anunciaram hoje uma nova versão do cartão Construcard, com um orçamento de R$ 7 bilhões.

A cerimônia contou com a participação de Claudio Conz e de Valter Cover, respectivamente presidentes da Anamaco e da Abramat, representando o setor de materiais de construção. Foi prestigiada por grande número de empresários e pelas lideranças das mais importantes entidades do setor, entre as quais Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI, e Antonio Carlos de Oliveira, presidente-executivo do Sitivesp.

Destinado à aquisição, por pessoas físicas, de material de construção no varejo, o cartão pode ser obtido em agências da Caixa, estando previsto um valor médio de R$ 14 mil por cliente, que pode ser pago parceladamente. O impacto social e econômico do estímulo à construção e à reforma de imóveis foi novamente ressaltado pelo presidente Temer, que tem manifestado sua confiança em relação ao papel do setor para a retomada do crescimento. “Quando aumenta a venda de materiais, quando se constrói, aumenta o emprego”, destacou.

Essa linha de crédito poderá começar a ser usada imediatamente, uma vez que a CEF já tem limites pré-aprovados para milhares de clientes e as lojas estão prontas para receber o cartão. A expectativa inicial é beneficiar mais de 2 milhões de pessoas.

“O setor de construção tem se unido para levar propostas ao governo, que se mostra muito receptivo aos argumentos que apresentamos. Percebe-se hoje uma clara orientação para atuar em conjunto com a iniciativa privada e para apoiar projetos que tragam resultados concretos. Do mesmo modo que o Cartão Reforma, anunciado alguns dias atrás, o cartão Construcard é um exemplo concreto dessa parceria muito positiva que se criou entre o nosso setor e o governo federal”, afirma Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI.

Cartão Reforma estimulará a venda de tintas e a economia

Novo programa governamental beneficiará até 100 mil famílias em 2017, oferecendo recursos para a aquisição de materiais de construção.

Lançado no último dia 09/11, o Cartão Reforma representa mais uma boa notícia para a construção civil. Com orçamento de R$ 500 milhões para 2017, o programa destina recursos para que famílias de baixa renda adquiram materiais de construção para reformar, ampliar ou concluir moradias.

A cerimônia foi prestigiada pelas mais importantes entidades do setor, entre as quais a ABRAFATI, representada por Freddy Carrillo e Marcos Allemann, respectivamente presidente e primeiro vice-presidente de seu conselho Diretivo, e o Sitivesp, representado por seu presidente-executivo, Antonio Carlos de Oliveira. A ampla participação reflete a orientação do governo de ouvir a iniciativa privada, como ocorreu no caso desse novo programa, que havia sido discutido anteriormente em reuniões entre o governo e as entidades com quem tem mantido um contato estreito: ABRAFATI, Anamaco, Abramat e Anfacer.

No anúncio da medida, o presidente Michel Temer destacou que ela irá aquecer o comércio de materiais de construção e gerar empregos. O impacto social também foi salientado pelo presidente, que, ao mostrar imagens de residências precárias, afirmou: “Aquele que mora em uma das casas que foram exibidas aqui, destelhadas, não pintadas, que possa verdadeiramente pintar a sua casa, ampliar um quarto, ampliar o banheiro. Vai sentir-se em condições mais dignas de vida”.

O programa deve atender entre 85 mil e 100 mil imóveis no ano que vem, na estimativa do ministro das Cidades, Bruno Araújo. A previsão é que os primeiros cartões sejam entregues em abril de 2017. O repasse da verba será feito pelo Ministério das Cidades, via Caixa Econômica Federal, que disponibilizará o cartão para famílias selecionadas.

“Esse é mais um importante passo para impulsionar a economia, ao mesmo tempo em que tem um impacto social significativo, tanto na melhoria das condições de moradia da população de menor renda, quanto na geração de empregos. Deve ser destacado que o governo federal reconhece o papel indispensável do setor privado para o desenvolvimento do País e sabe que a construção civil é uma das áreas que, quando estimulada, traz resultados mais concretos nessa direção”, afirma Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI.

BNDES manifesta seu apoio à indústria e ao varejo de materiais de construção

ABRAFATI e outras entidades do setor apresentaram propostas que destacam o papel do banco no apoio financeiro à construção civil.

Representantes do setor de materiais de construção estiveram reunidos ontem (03/11) com Maria Silvia Bastos Marques, presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), e com diversos executivos do banco de fomento.

O objetivo foi levar informações e propostas para obter o comprometimento da instituição com um maior apoio financeiro à construção civil, sendo destacadas as necessidades de crédito de construtoras, fabricantes e revendedores de materiais, inclusive no que se refere ao capital de giro. Além disso, foram discutidas formas de ampliar a divulgação e a abrangência do uso do Cartão BNDES, reafirmando a parceria com o banco no sentido de apenas permitir o seu uso para a aquisição de materiais de construção qualificados por Programas Setoriais da Qualidade (PSQs).

A reunião fez parte de um conjunto de iniciativas para levar ao governo Temer sugestões para estimular a construção civil. Essas ações, que já resultaram em medidas como a retomada de obras paradas do programa Minha Casa, Minha Vida e o anúncio do lançamento do Cartão-Reforma, vêm sendo lideradas por Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI e do Fórum dos Gerentes dos PSQs; Claudio Conz, presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção); Walter Cover, presidente da Abramat (Associação Brasileira das Indústrias de Material de Construção); e Antonio Carlos Kieling, superintendente da Anfacer (Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres).

“Como vem acontecendo nos contatos com as diversas instâncias governamentais com as quais temos nos reunido, a receptividade do BNDES às nossas propostas foi muito positiva. O banco reconhece o papel central da construção civil na economia brasileira e comprometeu-se a buscar formas de oferecer todo o apoio possível ao seu desenvolvimento” afirma Dilson Ferreira.