Pular para o conteúdo

O Mercado de Tintas no Brasil e suas Perspectivas

Dilson Ferreira*

A indústria de tintas no Brasil evoluiu muito nos últimos anos, tendo se preparado para atender às necessidades do mercado nacional e também do internacional. Investindo em pesquisa e inovação, o setor está atualizado tecnologicamente, acompanha as principais tendências internacionais e lança constantemente novidades, oferecendo produtos de qualidade superior e ambientalmente corretos.

Aqui se fabricam produtos com tecnologia de ponta e grau de competência técnica comparável à dos mais avançados centros mundiais de produção. Isso é resultado dos investimentos feitos diretamente pelos fabricantes e do trabalho em colaboração com os fornecedores de matérias-primas, que estão sempre em busca de novas soluções para as demandas de seus clientes.

Há alguns anos, esse esforço em favor da evolução tecnológica passou a incorporar, cada vez mais fortemente, a preocupação com a sustentabilidade, que se tornou uma das principais demandas da sociedade e do mercado. Foi por isso que, em 2009, introduzimos o conceito de Tinta do Futuro – que se tornou tema central de nosso Congresso e Exposição –, a partir do qual a pesquisa e o desenvolvimento de soluções sustentáveis ganharam ainda mais evidência no nosso setor, com a participação decisiva dos fornecedores de matérias-primas.

Outra tendência a ser ressaltada é a crescente valorização da qualidade das tintas. Ao longo dos últimos anos, aumentou muito o nível de conscientização e de exigência dos consumidores brasileiros e das empresas que utilizam as tintas em seus produtos e serviços. Esse aumento da exigência por produtos de qualidade superior também intensificou a colaboração e o trabalho conjunto entre fabricantes de tintas e seus fornecedores.

Com isso, podemos dizer que os desafios que se colocam para o futuro da cadeia produtiva de tintas – que representam, ao mesmo tempo, grandes oportunidades – estão ligados à atenção permanente que se deve ter em relação aos aspectos relacionados à sustentabilidade e à qualidade, antecipando-se às futuras demandas por parte dos usuários e às exigências da legislação e regulação.  Simultaneamente, é preciso investir em capacitação dos profissionais que atuam na cadeia produtiva de tintas, na revenda e na aplicação do produto.

O caminho para superar esses desafios é, em si mesmo, outro desafio: buscar a maior integração de cadeia produtiva, estimulando os processos colaborativos e implementando projetos conjuntos. Esses esforços têm de ser unidos aos do Poder Público, focando na promoção do desenvolvimento econômico e social – como já fazemos hoje com sucesso em iniciativas voltadas para habitação de interesse social.

Espaço para crescimento

Além de estar atualizada tecnologicamente e alinhada às grandes tendências internacionais, a indústria de tintas do Brasil é uma das principais do mundo, produzindo um volume anual de 1,4 bilhão de litros de tintas.

O setor vem crescendo, historicamente, a um ritmo igual ou um pouco superior ao do PIB brasileiro. Embora isso não tenha acontecido em 2012 e nos primeiros meses deste ano, em função da instabilidade econômica e política, existe um enorme potencial para a venda de tintas no País.

Temos hoje um consumo per capita de cerca de 7 litros/habitante/ano, muito abaixo daquele registrado em regiões mais desenvolvidas. Por isso, temos confiança na retomada do crescimento do setor a um ritmo vigoroso. As condições para que isso ocorra são favoráveis, a começar pelo nosso amplo mercado interno, que incorporou milhões de novos consumidores nos últimos anos. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento do País exigirá investimentos significativos em habitação e infraestrutura, sem contar as demandas relacionadas aos grandes eventos que promoveremos até 2022, entre os quais a Copa do Mundo, as Olimpíadas e as comemorações do bicentenário da independência, além da possível realização da Expo Mundial 2020 em São Paulo.

Tudo isso tem efeito direto e consistente sobre a economia e as vendas de tintas, contribuindo para que toda a cadeia produtiva continue crescendo, evoluindo tecnologicamente e avançando no rumo do desenvolvimento com sustentabilidade.

*Publicado originalmente na revista XNews, da Lanxess

Trabalhos de alto nível concorrem ao Prêmio ABRAFATI

A principal premiação brasileira para estudos ligados ao universo das tintas recebeu a inscrição de diversos trabalhos inéditos, elaborados por especialistas de empresas do setor e do meio acadêmico.

Os estudos apresentados para concorrer à 15ª edição do Prêmio ABRAFATI de Ciência em Tintas têm uma forte preocupação em oferecer soluções inovadoras ligadas à sustentabilidade, à incorporação de novas propriedades às tintas e a melhorias do produto em termos de performance e de custos. Entre os aspectos destacados nas pesquisas estão a utilização de

matérias-primas de fontes renováveis, o aproveitamento de resíduos, a melhoria de características relacionadas à propagação de chamas, a busca de novas soluções para o combate às bactérias e aos fungos.

A avaliação dos trabalhos está sendo feita neste momento, por uma Comissão Julgadora de alto nível, formada por profissionais muito conceituados da cadeia de tintas. Os resultados serão anunciados no início do próximo mês e a cerimônia de premiação acontecerá no dia 11 de dezembro.

ABRAFATI ganha Prêmio Top Anamaco por estímulo à sustentabilidade

Trabalho relacionado à Política Nacional de Resíduos Sólidos e à conscientização do público foi reconhecido.

 

No último dia 19 de novembro, a ABRAFATI recebeu o Prêmio TOP Anamaco 2013, na categoria Sustentabilidade.

A partir da avaliação de um júri formado por grandes personalidades do varejo de materiais de construção, a Associação foi reconhecida pelas atividades de sensibilização e conscientização que desenvolve para estimular as melhores práticas relacionadas à destinação correta de embalagens pós-consumo e ao consumo consciente de tintas.

Alinhado às diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos e aos princípios da sustentabilidade defendidos pela ABRAFATI, esse trabalho vêm trazendo expressivos resultados.

No case apresentado, a cartilha “Pintando de todas as cores, sem prejudicar o verde” foi destacada como a principal ferramenta, utilizando conceitos simples e ilustrações didáticas para levar orientação a dezenas de milhares de pessoas que escolhem, compram, aplicam, especificam, revendem e produzem tintas.

“O prêmio é motivo de grande orgulho para nós, reconhecendo o trabalho que fazemos nessa área e estimulando a cadeia de tintas a prosseguir no caminho do desenvolvimento setorial sustentável”, afirma Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI.

Inaugurado o primeiro Centro Prolata de Reciclagem

Iniciativa, que conta com a parceria da ABRAFATI, atende às exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Em cerimônia realizada na manhã de 29 de outubro, foi inaugurado na Zona Norte de São Paulo o primeiro Centro Prolata de Reciclagem.

Com espaço para receber até 2 mil toneladas de embalagens de aço pós-consumo por mês, o local é resultado de um trabalho desenvolvido pela Associação Prolata Reciclagem – formada por 15 empresas do setor de embalagens de aço –, tendo a ABRAFATI como parceira.

Seguindo as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos, ali as embalagens são classificadas, prensadas e enviadas para siderúrgicas, que  as transformarão em novas chapas metálicas. Quem entrega a sucata recebe por ela um valor com base no preço praticado no mercado.

José Maria Granço, presidente da Associação Prolata Reciclagem, e Thais Fagury, gerente-executiva, destacaram que haverá estruturas com a mesma finalidade nas cidades sede da Copa do Mundo, sempre vinculados a siderúrgicas, que garantirão a compra do material.

“Com essa iniciativa, está sendo dado um importante passo para facilitar a coleta e a destinação correta das embalagens de aço pós-consumo, que são 100% recicláveis e têm forte demanda no mercado”, afirma Dilson Ferreira, presidente-executivo da ABRAFATI.